Disgaea 4

By Hidora

Disgaea 4

Se você algum dia já ouviu falar de Disgaea, provavelmente deve ter ouvido coisas como “muito sem noção”, “piadas para todo lado”, “no fourth wall”, “terror dos completionists”, “Lv9999, wtf?” e coisas do gênero. E se você jogou algum Disgaea (ou qualquer SRPG da Nippon Ichi, na verdade), você sabe que todos esses comentários são 100% verdadeiros.

Com histórias voltadas mais para a comédia e menos para a seriedade, a Nippon Ichi vem trazendo uma ótima quebra de moldes quanto a JRPGs há algum tempo com. Ao invés de humanos tentando salvar o mundo ou algo do gênero, você sempre controla demônios em seu mundo deturpado (onde o bom é ruim e o ruim é bom, mas de vez em quando bom e ruim são normais quando conveniente) com seus próprios objetivos, os quais dificilmente podem ser relacionados aos objetivos comuns de um JRPG.

Existe uma coisa chamada “Holy Shit Quotient”, que é basicamente o número de vezes que uma pessoa assistindo diz “holy shit” em cada cena de um episódio/capítulo de uma série/livro/jogo/etc. Mude “holy shit” para “wat”, e temos Disgaea. A série também não tem problema em deixar claro que os personagens sabem que estão em um jogo: de fato, vários personagens tentam roubar o papel de personagem principal constantemente!

O interessante é que todos os jogos da Nippon Ichi se passam em um mesmo multiverso de infinitos Netherworlds, por isso você pode ter vários personagens de jogos diferentes juntos, podendo formar coisas bizarras como Valvatorez (Disgaea 4), Raspberyl (Disgaea 3), Adell (Disgaea 2), Laharl, Etna, Flonne (Disgaea), Zetta (Makai Kingdom), e Gig (Soul Nomad) todos lutando lado a lado (porém estamos na época de DLCs, então você precisa pagar extra se quiser Adell e Gig…)

Você começa assumindo o controle de Valvatorez, um vampiro anteriormente conhecido como Tyrant Valvatorez, um dos demônios mais poderosos já vistos, mas há muito enfraquecido por uma promessa que fez, a qual o impede de tomar sangue humano, comendo sardinhas ao invés disso, e ele é um tanto fanático quanto a isso.

Fenrich, seu leal servo lobisomem tenta dissuadi-lo há séculos, mas sem sucesso, pois para Valvatorez, uma promessa é a coisa mais importante que existe: ele nunca quebra uma promessa. O problema é que ele nunca pensa antes de fazer tais promessas!

Atualmente Valvatorez é um instrutor de Prinnies, as almas de humanos pecadores que devem pagar por seus pecados antes de reencarnarem, e leva seu trabalho muito a sério, e é com isso que começa a história.

Não posso dizer muito mais do que isso sem contar spoilers, já que a história avança rapidamente, portanto vou aos termos técnicos.

O sistema de Disgaea 4 é quase o mesmo de seus antecessores: você controla até 10 personagens em um mapa no estilo de tabuleiro quadriculado tão comum em SRPGs, pode cancelar ações à vontade para se aproveitar de alguns elementos de jogo, levantar e atirar aliados e inimigos, usar dezenas de skills diferentes instantaneamente, etc. Obviamente algumas mudanças foram feitas, como os sistemas de Skills e Evilities, mas no fundo é quase a mesma coisa.

Disgaea é conhecido como terror dos completionists por um simples motivo: suas sidequests parecem não acabar nunca. Terminou o jogo? Siga para o Post-Game e com Mount Ordeal. Cansado de treinar em Mount Ordeal? Siga para as batalhas especiais do Post-Game. Terminou essas batalhas? Chara World para você. Cansado do Chara World? Item World & Reverse Pirating, aqui vamos nós. Cansou do Item World? X-Dimension. Completou X-Dimension? Colete os itens necessários para ir a Land of Carnage. Já agüenta Land of Carnage? Prossiga para deixar um personagem em Lv9999. Conseguiu isso? Muitas Reincarnations à frente. Já está bem forte? Siga para o Item World de LoC para conseguir itens melhores. Conseguiu esses itens? Que tal enfrentar Pringer X: Roar?

E isso são só alguns dos troféus do jogo. Além disso você tem de causar 20 bilhões de dano em 1 só golpe, elevar um stat de um personagem a 20 milhões, elevar o Lv de um item a 300, conseguir cada um dos vários finais, liberar todos os ranks cada uma das dezenas de classes, coletar cada item do jogo, e ver as animações de todas as skills (entre outras coisas absurdas) só para conseguir o Platinum!

E que tenham piedade da sua alma se você estiver atrás do “verdadeiro 100%” anterior ao tempo dos troféus/achievements, pois você está tentando chegar ao limite das centenas de milhares de Lvs acumulados de Reincarnation que você pode ter acumulados em todos os personagens principais, conseguir maximizar todos os equipamentos Legendary de rank 40 com centenas de Innocents, e outras coisas mais.

Se você é um daqueles jogadores que jogam um jogo só para conseguir troféus, não aconselho esse jogo, pois os troféus são muito trabalhosos, e a maioria é de bronze (chegar em Lv9999 é de bronze… no shit). Agora se está atrás de um jogo que lhe dará  centenas de horas de jogo, com uma ótima história, jogabilidade diferenciada, dezenas de sidequests, e quase infinitos objetivos, esse é o seu jogo.

Como não posso tirar screenshots, e prefiro não usar screenshots de outras pessoas, segue uma foto que tirei da minha primeira personagem a chegar em Lv9999: Raspberyl.

Bottom of the 9999th!

  1. Gabriel laurindo machado
    24/04/2015 às 14:37

    Cara eu tenho uma pergunta sobre Disgaea 2 antes de voltar a jogar Tales abyss eu tava muito viciado nesse jogo tava curtindo mesmo por que na minha opinião é muito bom mesmo mas eu parei de jogar por causa de muitos desses comentarios qua depois de um tempo eu vi que eram possivelmente verdade como oque els dizem que o jogo é interminavel o que tu me diz sobre isso?

  2. Gabriel laurindo machado
    24/04/2015 às 14:38

    e eu tbm estava de olho no disgaea D2 que me parece muito bom , oque tu me recomenda voltar a jogar o 2 ou comprar o d2 que possivelmente é melhor por ter fim?

  3. 24/04/2015 às 15:04

    Os comentários sobre os jogos da série serem “intermináveis” não são críticas, mas sim elogios. O que dizem do jogo ser interminável é porque o jogo tem uma quantidade enorme de sidequests, além de ter vários finais diferentes e personagens opcionais. A história de qualquer Disgaea pode ser completa em 30h (menos que isso se você souber o que está fazendo), mas as sidequests levam centenas de horas (e grande parte delas só podem ser feitas após você completar o jogo, de qualquer forma).

    Quanto à sua segunda pergunta, Disgaea D2 é uma continuação direta de Disgaea: Hour of Darkness (o primeiro jogo da série Disgaea), então aconselho que jogue o HoD primeiro.

  4. Gabriel laurindo machado
    27/04/2015 às 12:20

    ok acho que vou voltar a jogar o disgaea 2 falta pouco mesmo, alias qual disgaea você joga?ou se você joga disgaea?

  5. Gabriel laurindo machado
    27/04/2015 às 12:55

    gostaria de saber se tu tem algum detonado ou algo assim sobre disgaea 2?

  6. 27/04/2015 às 12:56

    Eu joguei Disgaea: Hour of Darkness, Disgaea 2: Cursed Memories, e Disgaea 4: A Promise Unforgotten.

    Também joguei Makai Kingdom e Soul Nomad & The World Eaters, que fazem parte do mesmo multiverso.

    Não, eu não tenho um detonado de Disgaea 2. Na verdade, nunca fiz um guia de Disgaea antes de Disgaea 4. Também não lembro de muita coisa de Disgaea 2 (acho que só o que me lembro é da história e de como é trabalhoso desbloquear a Land of Carnage…).

  7. marcelo
    25/05/2015 às 19:43

    Po tem um detonadu aee du disgaea4

  8. 25/05/2015 às 22:03

    Não sei de nenhum em português. Nunca parei pra procurar, though.

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: