Shin Megami Tensei

By Hidora

Se você curte JRPGs, com certeza já ouviu falar dessa série que está por aí há mais de 20 anos. Você não ouviu? E Persona 3, já ouviu falar? Persona é um spin-off dessa série.

Ainda não sabe o que é? Então vamos apresentá-lo à minha segunda série preferida (atrás apenas de .hack).

Shin Megami Tensei é a terceira maior série de RPGs no Japão (atrás apenas de Dragon Quest e Final Fantasy). É também a série que deixou a empresa Atlus famosa por fazer alguns dos RPGs mais difíceis já criados. Achou Persona 3 difícil? Ah coitado, já ouviu falar de Nocturne?

A série MegaTen difere bastante dos RPGs japoneses que estamos acostumados a ver. Ao invés de se passar em um cenário de fantasia medieval, a série costuma acontecer no Japão atual ou no futuro próximo (por exemplo: Persona 3, lançado em 2006, se passa em 2009). Eu sempre gostei de mitologia, o que não falta nessa série, talvez por isso eu goste tanto dela.

Temos aqui desde Amaterasu, Susano-o e Yamata-no-Orochi (Shinto) a Cu Chulainn e Scathach (Celta), passando pelos arcanjos, Lucifer (Cristianismo), Vishnu, Ananta, Shiva (Hindu), Loki, Thor e Odin (Nórdica), entre outras dezenas de criaturas místicas de várias culturas diferentes. Aqui eles são chamados apenas pelo termo geral “demônios” (exceto em Persona, onde eles são chamados de… bem, Personas xD).

Originalmente baseada em uma série de livros de horror chamada Digital Devil Story (o primeiro deles chamado Megami Tensei), a série possui um tema mais sombrio do que a maioria dos jogos por aí. Em geral, não existe bem e mal, e a série gira em torno de alignments: Chaos e Law geralmente são o ponto principal, mas Light e Dark também existem.

A história geralmente envolve relações com o oculto. Em vários jogos você pode ter demônios no seu grupo (no caso de Digital Devil Saga, VOCÊ se transforma em um demônio). Para conseguir esses demônios, você pode persuadi-los a entrar no seu grupo (Nocturne), encontrá-los através de eventos após encontros aleatórios (Persona), comprá-los (Devil Survivor), capturá-los (Devil Summoner), ou fusionar os seus demônios já existentes em demônios mais poderosos (o único que joguei que não possui essa função é Digital Devil Saga).

Btw, Digital Devil Saga é o único jogo dessa série que eu joguei em que você não pode escolher o nome do personagem principal.

Aqui, sempre que o seu personagem vai dizer alguma coisa, quem escolhe o que será dito é você (com exceção do modo The Answer de Persona 3 FES por motivos óbvios), e em muitos casos as suas ações afetam o final do jogo ou podeom lhe conceder benefícios.

O sistema de batalha geralmente é em turnos (Devil Summoner é em tempo real), mas diferente do simples “abra o menu, escolha a habilidade mais poderosa e derrote o inimigo” da maioria dos RPGs com batalhas em turnos, aqui você PRECISA pensar em estratégias, senão não chegará ao último chefe nem em sonhos. De fato, em alguns dos jogos existem chefes criados praticamente com o simples objetivo de fazer o jogador perceber que precisa de estratégia!

Tente jogar algum SMT da mesma forma como você joga Final Fantasy e você com certeza não derrotará alguns chefes comuns como Matador (Nocturne), Camazotz (Digital Devil Saga), Kartikeya (Digital Devil Saga 2) ou Sleeping Table (Persona 3).

E nem mesmo pense em tentar enfrentar chefes opcionais como Lucifer (Nocturne e Devil Survivor), Demi-Fiend (Digital Devil Saga), Satan (Digital Devil Saga 2), Elizabeth (Persona 3) e Margareth (Persona 4), ou você vai se arrepender profundamente. Trust me, no kidding here.

Alguns dos títulos da série (apenas os que eu conheço e posso falar algo sobre, claro):

Shin Megami Tensei III: Nocturne

Se passando em um cenário pós-apocalíptico onde toda a população (exceto por você e alguns outros poucos) foi extinta por uma catástrofe global chamada Conception, que supostamente é o fim de um mundo e a preparação para o começo de outro, aqui você recebe o poder dos demônios através de pequenos seres chamados Magatamas e torna-se o Demi-Fiend: meio humano e meio demônio.

Descartando o sistema de Law/Neutral/Chaos dos jogos anteriores da série, Nocturne possui 6 finais diferentes, que ditarão como o próximo mundo será criado: você pode escolher seguir os 3 finais principais (as 3 “Reasons”), retornar o mundo como era antes, tentar criar o seu próprio mundo, ou seguir o caminho oferecido pelo misterioso homem na cadeira de rodas e o garoto que lhe deu os poderes demoniacos.

Provavelmente um dos jogos mais difíceis de se acostumar a jogar, mas não tão difícil quanto as pessoas dizem (uma vez acostumado, o jogo é na verdade um tanto fácil), esse jogo vai lhe mostrar que a tela de game over não é algo que se deve ver tão raramente: qualquer encontro aleatório pode ser fatal, sem exceções.

Com uma ótima (e, alguns diriam, macabra) trilha sonora, chefes apelões e encontros aleatórios fatais, Nocturne com certeza não é um jogo que você gostaria de jogar se não gosta de um pouco de dificuldade na sua vida.

Devil Summoner

A série Devil Summoner começou ainda no Sega Saturn, com os títulos Devil Summoner em 1995 e Devil Summoner: Soul Hackers em 1997 (o segundo ganhou um remake para ps1). A série só voltou em 2006 com Devil Summoner: Raidou Kuzunoha vs.The Soulless Army e a sua continuação, Devil Summoner 2: Raidou Kuzunoha vs. King Abaddon.

Diferente dos outros títulos da série SMT, Devil Summoner trata-se de um Action RPG. Joguei apenas os 2 jogos de ps2, então não posso falar muito dos outros.

Raidou Kuzunoha é uma família de Devil Summoners que tem como dever proteger a Capital (Tókio) de ameaças sobrenaturais. Você toma o papel de Raidou Kuzunoha the 14th durante a revolução industrial do Japão com esse dever. De simples casos de desaparecimento no Dark Realm a viagens no tempo e espaço com batalhas em tempo real, passando por batalhas com super soldados, clãs de assassinos, robôs do futuro e vários deuses japoneses, Devil Summoner:RK possui uma história mais leve (e até um pouco cômica) do que o resto da série, embora digam alguns que seja exatamene essa parte da série que torna a história da série como um todo bem complicada.

Há também um mangá sobre a série chamado Kuzunoha Raidou vs. The Lone Marebito.

Persona

A parte mais “bonitinha” (e também a mais fácil) da série SMT, e também a mais popular. Aqui não há demônios querendo destruir/dominar o mundo (ou sendo usados para tal), e sim os Shadows, que são entidades feitas dos sentimentos ruins das pessoas.

Os personagens principais geralmente são adolescentes que podem usar facetas de suas personalidades, os Personas, para combater as Shadows.

A série começou com Revelations: Persona em 1996, que foi seguido por Persona 2: Innocent Sin em 1999 e Persona 2: Eternal Punishment em 2000, ambos para o ps1, mas apenas o Eternal Punishment foi lançado em inglês.

Em 2006 foi lançado Persona 3, que foi seguido por Persona 4 em 2008, ambos para ps2. Há também os animes Persona: Trinity SoulPersona 4 the Animation. Em 2012 foi lançado o Persona 4: Arena, um jogo de luta com os personagens da série, para ps3.

Persona 3 e 4 foram os principais responsáveis pela série ficar bastante conhecida no ocidente.

Digital Devil Saga: Avatar Tuner

Apenas dois jogos foram feitos sob esse título, sendo Digital Devil Saga 2 a continuação do 1. O primeiro jogo foi lançado em 2004 e o segundo em 2005.

Diferente dos outros SMTs, ao invés de ser uma história sobre demônios atacando humanos ou sendo usados para isso, aqui todos os demônios são humanos transformados por um vírus chamado Atma. Os demônios nos quais os personagens principais se transformam são todos baseados na mitologia Védica.

Sendo o único jogo da série SMT em que você não pode escolher o nome do personagem principal, você assume o controle de Serph, o líder da Embryon, a menor Tribe na guerra do Junkyard para ascender ao Nirvana. Em meio a uma batalha entre Embryon e Vanguards, o Atma Virus é liberado, transformando todos no Junkyard em demônios canibais. Todos, exceto uma misteriosa garota de cabelos pretos chamada Sera.

Esses jogos usam um sistema de batalha similar ao de Nocturne, mas com algumas modificações que o deixam mais… “tolerável”, pra quem não está acostumado com a dificuldade da série.

Esse é o RPG com mais chefes opcionais que eu já joguei. No primeiro jogo há 11 chefes opcionais e 9 no segundo, sendo que um dos chefes opcionais no primeiro jogo é Demi-Fiend, o personagem principal de Nocturne, que é tido como o chefe opcional mais difícil na história dos RPGs.

Suas respostas a algumas perguntas no primeiro jogo podem afetar o seu playthrough no 2º (você ganha algumas skills no 2º jogo dependendo de suas respostas no primeiro), e alguns chefes opcionais do 1º  jogo lhe darão alguns itens especiais no 2º.

Devil Survivor

Lançado em 2009, esse é o primeiro (mas não o único) jogo da série a ser lançado para o Nintendo DS

Os jogos da série SMT costumam ter histórias enormes em que você leva dias (ou até semanas) para terminar,  mas não aqui. A história se passa em um período de apenas sete dias onde Tóquio foi isolada pela SDF (Self-Defense Force) e você deve sobreviver a demônios que invadiram o mundo humano e Demon Tamers que estão tentando escapar, enquanto tenta descobrir o por quê do isolamento e como acabar ou fugir dele.

Strange Journey

Segundo e último jogo para NDS da série, e o primeiro título a ser de fato chamado Shin Megami Tensei no Japão desde Nocturne (a maioria dos outros são Megami Ibunroku, não Shin Megami Tensei), especulava-se que esse era sucessor de Nocturne até Shin Megami Tensei 4 ser anunciado para o 3DS em 2012.

Aqui você assume o papel de um soldado de elite americano no esquadrão em uma tropa de investigação do Schwarzwelt, uma anomalia no espaço-tempo originada na Antártida que ameaça engolir o planeta, destruindo toda a vida na Terra. Você faz parte do Assault Team da Red Sprite, um dos 4 super-tanques criados especificamente para essa missão, armado com uma armadura especial chamada DEMONICA. Uma vez dentro do Schwarzwelt, a tropa encontra demônios invisíveis por todos os lados, e um grupo misterioso lhes dá acesso ao Demon Summoning Program, que permite que se veja, contrate e converse com demônios.

Voltando ao estilo dos 2 primeiros jogos da série (Shin Megami Tensei I e II, do SNES), o jogo é um dungeon crawler em primeira pessoa com um grande foco nos alignments (Law/Neutral/Chaos). Existem 3 finais diferentes, definidos conforme você vai respondendo às perguntas durante a história.

  1. eu
    24/04/2015 às 11:08

    O primeiro shin megami tensei no snes ou no ps2

  2. eu
    25/04/2015 às 12:27

    O 2 so tem ii finais diferentes caso saiba

  3. Gerson fernandes
    02/06/2015 às 15:35

    Hidora vc quer ser meu amigo no facebook? Nossa amizade nao depende de religiao mas de carater vejo que vc e uma pesssoa muito boa!

  4. 04/06/2015 às 21:43

    Eu praticamente não uso mais o facebook (só uso para mensagens), mas sinta-se à vontade. Não precisava de todo esse papo sentimental, though :P

  5. Gerson fernandes
    05/08/2015 às 15:54

    Em nocturne,como eu fundo um demonio da raca fury?

  6. 05/08/2015 às 17:32

    – Deity + Kishin/Fallen
    – Megami + Lady/Vile
    – Lady + Kishin/Fallen/Brute/Avatar/Entity
    – Kishin+ Wargod/Dragon/Entity
    – Fallen+Tyrant/Fiend
    – Snake + Entity
    – Jirae + Entity
    – Brute + Raptor/Entity
    – Vile + Tyrant/Raptor/Fiend
    – Tyrant + Raptor
    – Wargod + Entity
    – Genma + Entity
    – Dragon + Avatar/Avian
    – Avatar + Entity
    – Kishin + Fiend
    – Fury + Element

Comment pages
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: