Arquivo

Posts Tagged ‘ps3’

IT’S HAPPENING!

12/07/2014 10 comentários

Whoa, já faz mesmo todos esses meses desde que postei algo? Eu sei que disse que não ia mais falar sobre isso, mas…

Enfim, eu até tentei postar alguma coisa, mas quando tinha uma idéia sólida, acabava acontecendo algo e ficava sem tempo pra isso, e depois esquecia o que ia escrever :P

Nway, vamos ao que interessa. No fim das contas, decidi falar de algo mais recente, então só tenho duas coisas sobre o que falar.

Primeiro, The International 4. Se você ainda não ouviu falar disso, ou você não liga para jogos competitivos, ou você não tem prestado muita atenção, já que estamos falando do maior campeonato de jogos de todos os tempos, com um prêmio total de mais de 10.000.000 de dólares, que virou notícias em vários jornais ao redor do mundo nas últimas semanas, e começou os playoffs em 8 de Julho.

Em resumo, se você conhece ou já ouviu falar de Dota 2, vá assistir agora mesmo. Se estiver pelo menos interessado, aconselho que assista mesmo assim (há narradores brasileiros, caso não saiba inglês o suficiente para entender). Infelizmente, os dois times para os quais eu estava torcendo acabam de ser eliminados enquanto escrevo isso, though :(

A outra coisa que eu tenho para falar é, e se você prestou atenção nesse blog nos últimos 2 meses, você já sabe: Tales of Graces f.

Apesar de Tales of the Abyss ter sido um dos meus jogos preferidos (ao ponto de eu fazer um detonado mais do que completo), tenho de admitir que eu não esperava gostar tanto desse jogo.

Inicialmente, o jogo é bem estranho. Você joga com garotos de 9-14 anos, A-Artes (ataques básicos) não podem ser usados livremente (pois gastam CC, que você só tem uns 3-6) e possuem nomes estranhos, você não tem acesso a B-Artes, metade do tempo você tem alguém no grupo que não pode lutar, etc.

Daí acaba o primeiro capítulo, alguns anos se passam, e de repente esse jogo se tornou um dos melhores RPGs do ps3, na minha opinião. A história não é muito inovadora (até porque a série Tales of sempre segue uma fórmula básica), e possui um tom cômico bem maior que outros jogos, mas quatro coisas me chamaram bastante a atenção:

Primeiro, Skit Scenes finalmente são dubladas na versão US. E o jogo faz piada sobre isso! (essa é a descrição do Title que você ganha por assistir a 95% das Skits do jogo).

Segundo, os personagens. Quem já jogou um Tales of sabe que os personagens da série sempre possuem uma profundidade maior do que em praticamente qualquer outra série (em grande parte devido às Skit Scenes), e Graces f não deixa a desejar. Pascal agora é uma das minhas personagens favoritas de todos os tempos.

Terceiro, o sistema de combate possui um foco muito mais defensivo do que outros jogos da série. Há várias passivas que melhoram os efeitos de defender e desviar de golpes inimigos, enquanto, a menos que jogue na dificuldade Easy, é praticamente impossível tankar qualquer coisa. Also, não é possível ficar martelando X para atacar repetidamente: A-Artes (ataques comuns) gastam CC assim como B-Artes.

Quarto, tem tanta coisa para fazer. Diferente de outros jogos da série, não há nada bloquado por trás do NG+, então é possível fazer tudo desde o começo (ok, o Title que precisa de Lv200 provavelmente é impossível sem um NG+). Existem mais de 1000 Titles, milhares de skills passivas, centenas de Skit Scenes, dezenas de Artes, dezenas de sidequests, equipamentos podem ser melhorados até +99, entre outras coisas. Jogando na dificuldade Chaos desde que a desbloqueei, levei cerca de 90h para completar a história principal. Daí vem o epílogo Lineage & Legacies (AKA f arc), me levando a 130h total, e então ainda tem mais uma dungeon opcional depois disso que ainda estou explorando, Zhonecage. E isso tudo antes de começar um NG+!

Also, o Grade Shop funciona diferente do resto da série: você não ganha mais Grade baseado na sua performance em batalha. Ao invés disso, você ganha Grade baseado no que você fez durante o jogo. Coisas como nº de Titles em rank Master, nº de Soul Orbs, melhor equipamento melhorado, sidequests completadas, etc., aumentam seu Grade. Os preços no Grade Shop também não são muito altos. Com exceção da opção de manter todas as Artes e skills passivas (que custa 2500 Grade), quase tudo custa 200 Grade ou menos (existem alguns que custam ~400, mas são só uns 2). No fim do meu primeiro playthrough, se eu não comprar a opção de manter skills, posso comprar todas as outras opções.

E para terminar, ladies and gentlemen, Pascal!

Pascal - Fever Dream

This week was a good week

Pretendia postar isso antes, mas a preguiça faculdade me impediu.

Persona 5 e um novo .hack anunciados em uma mesma semana? AWW YISS!

AWW YISS

Categorias:.hack, PS3, SMT Tags:, ,

The Power of SARDINES!

Bem, já faz um tempinho que não posto nada aqui. Basicamente é porque não fiz nada de interessante até a semana passada: estive só jogando Aion e DotA. Também comecei a jogar TERA, mas não joguei muito porque no dia seguinte teve um update monstro e ainda estou tentando atualizar lol

Isso até semana passada, claro. Porque arranjei alguém para me emprestar o Disgaea 4, e é disso que se trata esse post: The power of SARDINES!

Como esperado de Disgaea (ou de qualquer RPG da NIS, na verdade), é provavelmente o jogo mais engraçado e divertido que joguei em um bom tempo.

Apesar de já ter jogado outros 2 jogos da série (Hour of Darkness e Cursed Memories), Disgaea 4: A Promise Unforgotten conseguiu me surpreender: a única maneira que consigo pensar em como descrever os membros do grupo que você pode recrutar é, “um grande grupo de desajustados”. Cada personagem é bem único e, pelo menos dessa vez, não teve ninguém que eu chegasse a detestar (*cough*Tink*cough*), todos são bem carismáticos.

Valvatorez é provavelmente meu personagem preferido da série agora (que até agora era Laharl). Um dos demons mais poderosos da história do universo NIS obviamente tinha de ser completamente sem noção com seus comentários com sardinhas, incapacidade de duvidar das pessoas, e recusa em quebrar promessas (promessas estas que ele faz o tempo todo sem pensar duas vezes).

E como era de se esperar, Disgaea volta a ser o terror dos completionists: não só temos os já conhecidos Item World, Land of Carnage e Cave/Mount Ordeal, como agora também temos Chara World, X-Dimension, World Edit, Reverse Pirate, entre outras coisas. Ainda estou começando as sidequests agora que terminei a história (leia-se: criando coragem pra conseguir todos os finais e então começar a ir no Item World até não poder mais).

Não que alguém se interesse, mas no momento, meu grupo é:

  • Valvatorez: Lv5176 (+2982 de Reincarnation)
  • Laharl: Lv1800 (+1171 de Reincarnation)
  • Fuka: Lv2394 (+2373 de Reincarnation)
  • Zetta: Lv4805
  • Fenrich: Lv3022 (+1505 de Reincarnation)
  • Emizel: Lv3666 (+2060 de Reincarnation)
  • Desco: Lv3371 (+15823 de Reincarnation)
  • Raspberyl: Lv9481 (+14723 de Reincarnation)
  • Kinthia (Bastet): Lv7804 (+3387 de Reincarnation)
  • Juno (Lilith): Lv6785 (+2160 de Reincarnation)
    Backup:
  • Asagi: Lv1584
  • Flonne: Lv1158
  • Kaylee (Master Thief): Lv5670 (+6768 de Reincarnation)
  • Ren (Beast Savior): Lv447 (+1125 de Reincarnation)
  • Yuko (Mother Brain): Lv249 (+1720 de Reincarnation)

Talvez eu volte a falar mais desse jogo outro dia, mas por enquanto é só.

Ah, e antes que eu me esqueça: Desco = win e Raspberyl = nowhere is safe.

Categorias:PS3 Tags:,

Lots and lots o’ stuff~

12/11/2012 2 comentários

Ok, já faz um tempo que não posto nada aqui, e não é sem motivo: a UFAM voltou da greve e desde então estive atolado de coisas pra fazer/rever/reaprender.

Mas agora, finalmente estou de férias… por 1 semana. Well, shit.

Anyway, nesse meio tempo, aconteceu bastante coisa:

DotA e Counter Strike: o tempo todo nas horas livres na facul. Sou péssimo em ambos, mas o importante é se divertir :P

Eu estava trabalhando em um walkthrough de Shin Megami Tensei III: Nocturne, mas aparentemente meu ps2 morreu de vez, portanto não vai dar para terminar. De qualquer forma, não se surpreenda se eu decidir postar aqui algumas partes do guia que eu cheguei a terminar.

Parei de jogar Shin Megami Tensei: IMAGINE Online. A única coisa que me mantinha no jogo eram meus amigos, mas com exceção de 4 deles, todos pararam de jogar. Cheguei a entrar em um novo clan, mas não tive ânimo para continuar. Até porque o jogo não recebe conteúdo novo de verdade há um bom tempo (equipamentos de cash semanais, e a entediante e minúscula virtual beach não contam). Se fosse para definir esse jogo, eu diria: “Grande potencial, mas quase todo desperdiçado. Playerbase interessante e geralmente amigável, mas com muito QQ. Also, Cave sucks.”

Comecei a jogar Aion. Esse jogo possui ótimas jogabilidade e história, mas a interação entre jogadores é quase mínima fora de Legions. Pouquíssimas vezes eu vi alguém usar o “Say” chat, o “Shout” é usado só para dar a localização de asmos, e o “LFG” é lotado de gente procurando por instances/trades, e bots de gold. Aliás, a quantidade de bots de gold é incrível: está na cara que a NC Soft não dá a mínima para eles. Infelizmente, meu note não roda esse jogo e tenho que jogar no do meu irmão, então só posso jogar nas raras vezes em que ele deixa o note em casa :/

FINALMENTE criei coragem e comecei a fazer a adaptação do walkthrough de Tales of the Abyss para postar aqui no blog. Aproveitei e fiz uma revisão na maioria das páginas. Refiz a página de Capacity Cores completamente, e ajeitei as tabelas em algumas delas. Acabo de postar a parte 1 do walkthrough: ainda estou trabalhando na parte 2, porque o wordpress está dando problemas com cada uma das dezenas de tabelas que eu uso no guia, though. Better late than never, I guess. Also, refiz o mapa de Replica Lab, e pretendo postar a v2.1 do guia no GameFAQs em breve.

Estive jogando Devil Summoner 2: Raidou Kuzunoha vs King Abaddon ultimamente e, com exceção do fato da handgun ter sido quase inutilizada, posso dizer que o jogo é BEM melhor que o 1. E novamente, Raiho é um dos meus demons preferidos :P

Rejoguei Megaman Legends, e posso dizer com certeza que nenhum jogo que já joguei me deixa tão paranóico quanto esse. Nenhum. A cada momento parece que um inimigo vai sair de uma esquina… e geralmente isso acontece. O fato de você poder ouvir os passos de inimigos à distância e através de paredes não ajuda. Um ótimo jogo, mas infelizmente o último chefe é uma piada para derrotar.

Após muito tempo, tive a oportunidade de jogar inFamous 2, e devo dizer: estou meio desapontado. A jogabilidade e o gráfico estão bem melhores, mas a história me pareceu meio apressada, e o final Evil foi simplesmente chato. A batalha final do inFamous 1 foi épica, já no 2, só o que tive que fazer foi martelar o Quadrado e R1 por um tempo… E eu sinto falta do raio negro u.u

O que me lembra: A versão de inFamous 2 que joguei foi a dublada em pt-br. A dublagem é perfeita (a tradução, nem tanto, percebi várias falhas e traduções literais). De fato, ouvi dizer que a nova voz de Cole em inglês é péssima, mas não tive problema algum com a versão brasileira. De qualquer forma, se filmes e séries fossem dublados da maneira que jogos estão sendo, eu não teria problema algum em assistí-los dublados. Também joguei Uncharted 1 e 3 em pt-br, e a dublagem desses também é perfeita.

Também joguei Assassin’s Creed: Revelations, rejoguei Assassin’s Creed 1 e 2, e estou vendo se arranjo o Brotherhood, e depois procurar alguém para me emprestar o AC3. Só o que tenho a dizer é que eu finalmente encontrei uma história tão complicada quanto .hack… e eu adorei isso.

E por falar em .hack, Guilty Dragon foi lançado, mas como não tenho um celular que preste e não entendo nada de japonês, não cheguei a jogar.

E novamente, falando em .hack, eu estava sem nada para fazer e, como descobri que o note do meu irmão consegue rodar um emulador de ps2 a uma velocidade jogável (depende do jogo, devil summoner 2 vai a 80-120%, enquanto Okami vai a 40-80%), resolvi finalmente por a teste uma coisa que eu tinha visto há um bom tempo no dothackers //BBS. 5 minutos em um hex editor, e voilá:

É facilmente possível usar qualquer um dos SPCs de Infection seguindo o tutorial feito por Xu Yuan no dothackers, aqui: Hacking .hack//Infection. Tudo o que você precisa é de um hex editor (eu usei o HxD) e a iso do jogo :P

Infelizmente, o Mutation não funciona exatamente da mesma maneira, então essa maneira só funciona com o Infection.

Fus… Ro… preciso dizer o resto?

Finalmente criei coragem para começar a jogar The Elder Scrolls V: Skyrim (minha TV velha dá uma certa dificuldade para ler a maioria dos textos, por isso ainda não tinha começado a jogar, apesar de ter o jogo há meses), e vou dizer o que achei do jogo até agora (embora tenha jogado por menos de uma semana).

Ótima jogabilidade, gráficos incríveis, sistema de habilidades interessante (que me lembra Grandia e SMT:IMAGINE), trilha sonora empolgante, e uma história aparentemente boa (ainda não avancei muito na história principal).

O grande problema que encontrei nesse jogo é o mesmo que encontrei em Dragon Age 2: um foco excessivo em  sidequests desde o começo do jogo. Antes de completar a 5ª quest principal eu já tinha feito 12 sidequests (e inúmeros Miscellaneous), chegado em Lv37, liberado 3 Shouts e 1 Power, comprado 2 casas, derrotado 7 dragões, completado 14 dungeons, e maximizado Illusion e Alteration! (além de todas as skills de Mage/Thief em 50+, e Archery em 48)

Não condeno um jogo por uma grande quantidade de sidequests (pelo contrário, acho até bom, como em Wild ARMs 5), mas quando você pega uma sidequest na primeira cidade que pede que você viaje até uma cidade DO OUTRO LADO DO MAPA, dá pra notar que tem alguma coisa errada.

O foco excessivo em sidequests faz o jogador não ter muitos motivos para continuar a história principal (hell, as sidequests das ordens que você pode se juntar são suas próprias histórias). Eu perdi a vontade de jogar Dragon Age 2 por esse motivo, e espero que o mesmo não aconteça com Skyrim.

Em suma, eu diria que é um ótimo jogo, e bastante viciante, mas poderia ter um foco um pouco maior na história principal. Recomendo pra qualquer um que curta um bom e velho jogo de espada e magia e esteja cansado do velho “mate X número de inimigos para passar de Lv”.

Also, o fato de você ser o único alvo de QUALQUER inimigo (exceto dragões, que atacam qualquer coisa que se mova, inclusive outros dragões) não ajuda muito. Já me aconteceu umas 5 vezes de eu estar enfrentando um dragão e de repente um gigante ou um urso aparece do nada e começa a me atacar. Uma vez eu salvei um vilarejo de um dragão e os guardas vieram me atacar!

O que me lembra: se um dragão estiver atacando uma cidade, NÃO use magias de área, NÃO conjure Atronaches, e NÃO se transforme em lobisomem, ou os guardas param de atacar o dragão para atacar você >.>

P.S.: Se estiver começando a jogar, aconselho que termine a main quest The Way of the Voice ASAP, pois nela você aprende o shout Whirlwind Sprint, que é coisa linda de deus para fugir daquelas mordidas de dragões que te matam em um golpe se você for mago como eu :P

Categorias:PS3, Random Tags:,

“.hack Next-Gen” revelado: .hack//VERSUS

Pode checar o calendário, pois ainda não é primeiro de abril.

Depois de trocentas confirmações e negações quanto ao jogo, finalmente foi revelado que o jogo será um jogo de luta. Cada personagem poderá usar Skills, Altimit Skills, e cada um possui sua Exceed Skill (uma skill exclusiva de cada personagem).

A história gira em torno de um personagem misterioso chamado “9” (isso mesmo, Nove). Já existem teorias de que esse personagem seja Tokio de .hack//Link (entre outras coisas, o nome de Tokio começa com o caractere para 9 em japonês, e a essa altura ele deve ter uns 18 ou 19 anos).

Até o momento os únicos personagens jogáveis que se sabe são Haseo de .hack//G.U. e Kite(Sora) de .hack: Sekai no Mukou ni.

O jogo será vendido a partir de 28 de Junho no japão junto (no mesmo Blu-ray) com .hack: Sekai no Mukou ni por ¥7,140 e também haverá uma edição especial  (chamada The World Edition) por ¥10,500 que inclui:

  • 25 posters.
  • Um livro de concept arts de 48 páginas, em cores.
  • Um DVD especial chamado .hack//Extension Disc
  • Uma caixa de colecionador ilustrada por Seiichiro Hosokawa, o artista principal de .hack//G.U.

Screenshots


Video Oficial

Fontes:

http://dothackers.net/

http://andriasang.com/con0cb/hack_versus_detailed/

http://www.famitsu.com/news/201203/22011846.html

Categorias:.hack, PS3 Tags:,